SUGESTÃO DA SEMANA

Comentário de um especialista convidado a um artigo científico publicado

“Se eu fizer umas caminhadas, será que o parto se desencadeia?”. Quem se dedica à prática clínica em Obstetrícia reconhece esta pergunta, pois rara é a grávida que não a faz no final da gravidez. Caminhar será, muito provavelmente, a forma mais popular de desencadear o parto num momento em que, para a maioria, a gestação se tornou penosa. E é a esta pergunta que o trabalho de Pereira e col pretende responder. Para tal, foi desenhado um estudo em se recrutaram 131 grávidas, de baixo risco e sem hábitos de exercício, aleatorizadas em dois grupos: um que, às 38 semanas, iniciou caminhadas, em passadeira, de 30 minutos, três vezes por semana e à velocidade de 4km/h, e outro (grupo controlo) a quem foi pedido não fazer qualquer forma de exercício físico até ao termo da gestação. Ambos os grupos tinham características maternas similares, mas o grupo que caminhou (n=63) apresentou uma menor taxa de indução de parto e de partos instrumentais. A maioria dos estudos que associa o exercício físico ao trabalho de parto espontâneo incluem mulheres que rotineiramente o fazem, são observacionais e baseiam-se em inquéritos; este estudo tem como ponto forte o facto de avaliar o impacto do exercício físico controlado, pois foi realizado sob vigilância, num grupo de grávidas que não tinham o habito de se exercitarem. Assim, a partir de agora, perante uma pergunta como aquela que inicia este texto e com base em evidência científica a resposta será “Sim, é muito possível que tal aconteça!”

Qualquer obstetra gostaria de ter a certeza de que toda e qualquer medicação administrada a uma grávida não terá repercussões no feto, seja a curto, seja a longo prazo.

O objetivo da terapêutica do parto pré-termo (PPT) é melhorar a sobrevida neonatal e o desenvolvimento saudável. No entanto, o efeito das intervenções perinatais, como o uso de tocolíticos, na morbilidade a longo prazo é desconhecido, principalmente porque o follow-up é escasso.

Este artigo pretendeu avaliar os efeitos a longo prazo da tocólise materna com Nifedipina ou Atosiban (os tocolíticos mais utilizados) no desenvolvimento neurológico, motor, comportamental e saúde em geral, das crianças entre os 2,5 e os 5,5 anos de idade. O trabalho baseou-se no estudo APOSTEL III em que 503 grávidas com PPT foram randomizadas para efetuar Nifedipina (n=248) ou Atosiban (n=255). A avaliação das respetivas 591 crianças baseou-se em 4 questionários validados enviados aos pais, os quais permitiram avaliar 115 crianças no grupo da Nifedipina e 110 crianças do grupo do Atosiban, com uma mediana das idades aquando do inquérito de 53 meses (IQR 46-57 meses).

Este estudo revelou que a longo prazo, os resultados foram comparáveis nos 2 grupos em termos de desenvolvimento neurológico, motor, comportamental e saúde em geral. Não se encontraram interações quando avaliados subgrupos quanto à existência de rotura de membranas, gravidezes únicas ou múltiplas e idade gestacional do parto.

Os pontos fortes deste estudo são ser o primeiro publicado sobre o tema e a taxa de resposta ter sido razoável (46%). Contudo, há também limitações:  amostra limitada; o viés da exclusão de crianças mortas ou com deficiências graves; e, em vez de avaliações médicas, o uso de questionários.

Deste modo, com base na evidência científica disponível, não há preferência no uso de Nifedipina ou Atosiban no PPT, tendo em vista os desfechos a longo prazo.

A hipóxia fetal intraparto é uma causa importante de sequelas neurológicas neonatais. Muito investimento tem sido feito na monitorização fetal intraparto para a deteção da hipóxia, no entanto não existem intervenções comprovadamente eficazes para reduzir ou evitar o seu desenvolvimento.

Este artigo pretendeu avaliar o efeito da terapêutica com citrato de sildenafil intraparto na taxa de partos instrumentados/cesariana por estado fetal não tranquilizador e na perfusão fetal e uteroplacentária. Com essa finalidade foi realizado um ensaio randomizado, de dupla ocultação e controlado com placebo, comparando o citrato de sildenafil na dose de 50mg a cada 8 horas (max 150mg) (137 grávidas) vs placebo (131 grávidas) em trabalho de parto de termo. Verificou-se, no grupo do sildenafil, uma redução de 51% do risco de parto operativo emergente por estado fetal não tranquilizador (RR: 0.49, IC 95%: 0.33-0.73) e uma redução de 43% nos traçados cardiotocográficos patológicos e líquido amniótico meconial (RR: 0.57, IC 95%: 0.41-0.79). Não se observaram diferenças nos índices de perfusão fetal e uteroplacentária nos dois grupos. A concentração do fármaco no sangue do cordão umbilical foi 3.6% da sua concentração no sangue materno e não se encontraram diferenças no desfecho materno ou neonatal entre os grupos.

Este é o primeiro estudo a utilizar o citrato de sildenafil no intraparto e tem como principal ponto forte o rigor da sua metodologia, com particular atenção ao controlo de viés. No entanto, a amostra tem de ser muito aumentada no sentido de corroborar os achados promissores encontrados, identificar quais as grávidas que terão maior benefício na sua utilização e comprovar o perfil de segurança materno e neonatal desta terapêutica.

Na prática clínica obstétrica somos frequentemente confrontados com uma questão: Doutor(a) a minha actividade profissional confere risco acrescido à minha gravidez? Esta é uma questão de resposta difícil porque a evidência científica na literatura é escassa e muitas vezes resta-nos o bom senso. As escalas de avaliação de risco na gravidez não são bons instrumentos auxiliares e em muitas situações é necessário aferir a necessidade de um certificado de incapacidade temporária gravidez com ou sem risco clínico.

Esta revisão sistemática e meta-análise incluiu 80 estudos observacionais, num total de 853.149 grávidas. Os dados revelam que o levante de um peso total diário ≥ 100kg se associa a um maior risco de parto pré-termo (OR 1.31, IC 95% 1.11-1.56) e a baixo peso à nascença (OR 2.08, IC 95% 1.06-4.11). O levante de objectos com peso superior a 11Kg foi associado a maior risco de aborto (OR 1.31, IC 95% 1.08-1.58). Períodos prolongados em posição ortostática associam-se a risco de parto pré-termo (OR 1.11, IC 95% 1.02-1.22) e de fetos pequenos para a idade gestacional (OR 1.17, IC 95% 1.01-1.35). Uma actividade laboral com esforço físico intenso associou-se também a maior risco de parto pré-termo (OR 1.23, IC 95% 1.07-1.41) e a baixo peso à nascença (OR 1.79, IC 95% 1.11-2.87).

Esta revisão sistemática e metanálise apresenta no entanto limitações importantes que incluem o tipo de estudos incluídos, a heterogeneidade dos estudos, o nível de qualidade da evidência, a dificuldade da caracterização do esforço físico bem como na definição e avaliação dos desfechos avaliados.

Não obstante os riscos apresentados apontam para a importância da avaliação cuidada da actividade laboral da grávida, a necessidade de reajuste da mesma pela entidade patronal sempre que possível e a integração desta informação com outros riscos maternos, que possam conferir à gestação um risco acrescido de maus desfechos perinatais.